segunda-feira, 21 de novembro de 2016

[LUDOCULTURAL] AVERY MCDALDNO E JOGOS QUE SIGNIFICAM - PARTE 2

 Olá!

Vamos dar continuidade a matéria sobre os jogos narrativos de Avery Mcdaldno, e sua imensa contribuição para este segmento do RPG.

Ok, muitos que conhecem jogos independentes (termo também difícil de definir…) já a conhecem e já sabem do que estamos falando, mas vamos lá. Avery faz jogos densos, sobre escolhas significativas e, com mecânicas simples e premissas bem trabalhadas, fazem você e seu grupo de jogo pensarem bastante sobre coisas que se apresentam nas nossas vidas, como mudança, criação coletiva de alguma coisa, repressão estatal e direitos civis, sexualidade, intolerância e segurança nas mesas de jogo. Basta ler qualquer jogo da autora para observar a grande preocupação que ela possui em ser entendida, em comunicar bem, em quase abraçar quem estiver lendo seus jogos. Apenas para ilustrar, no Perfect Unrevised há uma grande seção destinada a conversar com novatos, veteranos em jogos narrativos, a tratar a violência, a utilizar as técnicas de linhas e véus (presentes em vários jogos, como no Violentina de Eduardo Caetano, por exemplo). Ou seja, há um real carinho em torno da criação e publicação de jogos. E isto se faz muito necessário em ambientes tóxicos que se reproduzem na cena de jogos analógicos no Brasil.

The Deep Forest

Mas ainda tem mais, e nem estou falando de The Deep Forest  que adapta The Quiet Year para uma perspectiva pós-colonial em um trabalho conjunto de Avery com Mark Diaz Truman (autor de Urban Shadows, Cartel e Our Last Best Hope, entre outros) que coloca os jogadores no papel de monstros que foram devastados por humanos. Aqui a perspectiva não é humana, mas de seres vistos como “bestiais”, mas que na verdade possuem organizações sociais particulares. Um baita questionamento sobre etnicidade, por exemplo.

Mas chegamos até aqui e talvez o mais importante não foi apresentado: algo sobre a autoria. Avery já foi Joe Mcdaldno. Avery é uma autora que não apenas discute (e muito bem) representação mas ela busca o questionamento da normatividade no seu design de jogos, uma extensão de sua própria ação social. Ué, mas esta postagem não em um blog de jogos, em um blog de RPG e demais jogos analógicos? O que esse papo estranho está fazendo aqui? Ele tem de estar aqui. E vamos lá.

Há algum tempo temos situações muito complicadas na “cena nerd” (outro termo péssimo) e normalmente há reverberações coercitivas e punitivas (algo necessário, aliás), mas não observo o sublinhar em boas ações que visam ingame trabalhar a diversidade social que se defende. Ainda há os mesmos grupos trabalhando sobre temas ditos “genéricos” que insistem em nem ao menos representar outros grupos sociais. Mas o que falamos aqui é mais que representar, é ter mulheres, negros, pessoas trans e toda a beleza da pluralidade que compõe nossa sociedade não como ilustração em páginas, mas produzindo, ganhando notoriedade e inserindo nas mecânicas e temáticas dos jogos tais questionamentos (recomendo muito os slides que Avery fez, estão no último link que postei, no início deste parágrafo). Logo, conhecer e jogar os jogos da autora são importantes como motores para a ação constante de promover jogos seguros e que prezem pela diversidade.

Bem, e se você explorar o site da autora ainda terá acesso a comentários de outros desenvolvedores, vai se surpreender pois vários destes jogos incríveis são GRATUITOS ou bem baratos e vai ter acesso a adaptações dos jogos para outros cenários (os hacks). Só para você ter uma ideia, há um hack do Ribbon Drive chamado Slashed to Ribbons que tem como proposta de transportar para filmes de terror do gênero Slasher, como Sexta-Feira 13. E sim, eu sempre darei uma atenção especial ao horror e ao terror, meu quinhão de mais apreço.

Monsterhearts



Mas Avery não está muito distante de nós. Muitos conhecem seu trabalho por Monsterhearts, um jogo sobre sexualidade e amadurecimento no qual os jogadores se colocam no papel de monstros e emulam séries como Teen Wolf, por exemplo. Mas ela ainda está mais próxima de nós. Dream Askew, um jogo narrativo sem mestre e sem dados sobre o apocalipse Queer com escolhas difíceis a serem tomadas em um mundo sem recursos chegará ao Brasil ainda este ano, em uma ação de tradução e edição conjunta entre o Livro dos Espelhos e o Inseto Vermelho. Vale parabenizar a iniciativa de Alan Silva (autor de Cachorros Samurais, Veridiana e Erótica, que já trouxe o Teen Witch da mesma autora) e Eva Morrisey (tradutora e revisora de títulos como Numenera e membro da Corte de Copas) por trazer este jogo justamente no momento em que estamos passando. 

Então que joguemos um pouco mais jogos que significam,e  espero que tenham gostado!

Jorge dos Santos Valpaços 

domingo, 20 de novembro de 2016

St Trinian: O PIOR Colégio do Mundo

E lá tou eu (re)lendo o divertidissimo "Hellcats & Hockeysitcks" *Andrew Peregrine) quando descubro que nas referencias ele cita váaarias vezes um tal de "St. Trinian".

Como nunca tinha ouvido falar, fui atrás.

E é uma das séries mais bacanas que já vi (tou no começo ainda).


Imagine um colégio só de garotas, aonde as pires vilás do Batman se sentiriam em casa.
E aonde a anarquia é a ordem, enquanto professores sádicos e alunas para lá de impossíveis se degladiam enquanto tiro ao alvo com alunas mais novas é realizado como aula de rotina.

Se precisa de um jogo bacana, simples e divertido, não deixe de jogar Hellcats. E se for jogar, assista algum epispodio ou filme de St. Trinian. Vale a pena!

Se liguem na letra *legendas em castelhano)




sexta-feira, 18 de novembro de 2016

[EVENTO] SAIA DA MASMORRA - MARATONA RETROPUNK - MESAS PREVISTAS


Olá amiguinhos!!!

Saia da Masmorra tem o prazer de convidá-los para nosso tradicional evento lúdico, e informar que teremos muitas atrações maneiras entre mesas de RPG e boardgmaes, a partir das 10:00h, na Livraria Cultura, no Cine Vitória, Centro do Rio de Janeiro.

Nosso evento do dia 19.11.2016, e conforme anunciamos na matéria anterior, esta nossa edição de será em parceria com a Retropunk Publicações, iniciando a parceria com evento. Nossa Maratona Retropunk, que ganha agora sua primeira edição, entrando para o calendário anual oficial do Saia da Masmorra, terá a ilustre presença do autor de Terra Devastada e Absimo Infinito, John Bogéa, que vai narrar uma mesa do RPG apocalíptico Terra Devastada, e assianr exemplares de quem levar ambos os livros. Essa, você não vai perder né?

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

TERRA DEVASTADA TERÁ NOITE DE AUTÓGRAFOS NO SAIA DA MASMORRA - LIVRARIA CULTURA DO CENTRO - RJ


Olá amiguinhos!

O Saia da Masmorra, a Retropunk Publicações, e a Livraria Cultura tem o prazer de convidá-los, como parte da Maratona Retropunk, para a noite de autógrafos do livro Terra Devastada - Edição Apocalipse, com o autor, John Bogéa.

O evento abre a Maratona Retropunk no dia 18.11, a partir das 18:30, e todos estão convidados a participar deste evento, que será um marco no cenário do RPG do Rio de Janeiro.

Para quem ainda não conhece Terra Devastada, segue uma breve sinopse:

Terra Devastada é um jogo narrativo sobre esperanças, traumas, perdas, riscos e consequências. Sobre sobreviver em um mundo arrasado por uma pandemia apocalíptica que transformou a humanidade em monstros débeis, tóxicos e carniceiros. Sobre o desespero dos incautos remanescentes da Terra, fragilizados, exauridos e beirando a insanidade. Sobre cruzar ermos contaminados, cidades devastadas, zonas insalubres, territórios desolados e trilhas nebulosas para além do que se pode imaginar.

Capa da nova edição
É um RPG com uma mecânica intuitiva que preza pelo poder imaginativo e narrativo dos jogadores. O sistema segue um conceito flexível que permite a customização dos personagens pelos jogadores.
É um jogo de atos e consequências, de desespero e de desesperança, e de como passar dia após dia sem enlouquecer ou se devorado.

Maiores informações sobre duração do evento, e como chegar você pode acessar na agenda de eventos da Livraria Cultura.

E então, não é incrível? Esperamos você lá!!!

Let's Game!

Edson Sorrilha.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

SAIA DA MASMORRA E RETROPUNK FAZEM 1ª MARATONA RETROPUNK DE RPG


Olá amiguinhos!

É com muito prazer que venho anunciar que, na edição de novembro/2016 de nosso evento mensal, o Saia da Masmorra, teremos primeira edição da Maratona Retropunk. Nos mesmos moldes do já conhecido evento especial que fazemos em parceria com a Editora New Order, a Maratona Retropunk trará para o público os principais jogos produzidos pela Retropunk Publicações para apresentar ao público geral do RPG, e matar a vontade dos jogadores que já conhecem os títulos.

O evento trará uma novidade, e será dividido em duas partes: no dia 18/11 faremos a noite de autógrafos do livro Terra Devastada, recém financiado, com o autor do jogo, John Bogéa, a partir das 18:30; e no dia 19/11, teremos a edição mensal do Saia da Masmorra, com jogo da Retropunk Publicações, e estamos reunindo um time de peso para mestrar essas mesas.



Prevemos quatro mesas de jogos, dentre as quais, três já se encontram confirmadas:

Terra Devastada - Mestrada por John Bogéa, autor do RPG;
Savage Worlds - Mestrada por Jonata Rúbio;
Este Corpo Mortal - Mestrada por Luciano Bastos, do Conselho Branco e Membro Honorário do SdM.

Além disso, em breve confirmaremos quem irá mestrar a mesa prevista de Rastro de Cthulhu, fechando assim quatro mesas fantásticas. Além disso, estamos em empenho conjunto para no dia do evento já termos os produtos da Retropunk disponíveis no local.

Ambos os dias do evento serão na Livraria Cultura - Cine Vitória, no Centro do Rio, local onde o Saia da Masmorra ocorre mensalmente.

Para fixar, seguem os dados do evento:

Dia 18.11 - 18:30
Noite de autógrafos do livro Terra Devastada, com o autor, John Bogéa;

Dia 19.11 - 10:00 as 16:00
Evento: Saia da Masmorra - Maratona Retropunk.

Link para nosso evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/383998421931723

Venha você também fazer parte dessa maratona sensacional!!!

Let's game!

Edson Sorrilha.