sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Conspiracy X e o Unisystem


Conspiracy X e o Unisystem
 
Dos gêneros dos jogos de RPG temos celebridades como os clássicos jogos e cenários de fantasia, os de ficção científica e por ultimo os de horror, todo jogador de RPG conhece ou já ouviu falar de jogos como Dungeons & Dragons, Traveller e Call Of Cthulhu, eles foram o fenômeno nas décadas de 80 e 90 e em sua trajetória deixaram um rastro de clones e imitadores.
 
Da mistura dos gêneros horror e ficção científica surgiu Conspirance X que nasceu com sistema próprio, mas que recentemente (2006) ganhou uma nova versão adaptado ao Unisystem de C.J. Carella. Mas o que é o Conspiracy X e Unisystem?
 
O Conspiracy X
 
Dentro de um ambiente de investigação e paranoia das conspirações governamentais CX coloca os jogadores na pele de investigadores de uma organização chamada AEGIS, um grupo com conhecimento ultra secreto que funciona através de células (bem no estilo do antigo jogo de computador UFO) e expõe os jogadores a toda mitologia moderna sobre OVINIS, seres sobrenaturais e milagres da ciência. Os próprios autores listam um grupo enorme de séries de TV filmes e livros que dão o clima do CX, para os fãs de series como CSI, Bones, Medical Detectives, Pistoleiros Solitários, Millenium e Arquivo X o jogo é o santo graal. Abduções, forças sobrenaturais em comunidades afastadas, criaturas meio humanas que não deveriam existir, aliens híbridos humanos, tecnologia de ponta só imaginada por uns mas real para outros são elementos deste jogo divertido e desafiador.






O Unisystem
 
Dos jogos mais conhecidos a usar o sistema Unisystem temos: All Flesh Must Be Eaten, Armageddon e Buffy The Vampire slayer., mas para quem nunca jogou um destes vamos ao Unisystem.
 
Posso dizer depois de ler os dois principais livros do Conspirancy X (o livro de regras e o The Extraterrestrials Soucebook) que o sistema dá um certo, “sabor” ao jogo que vai agradar a gregos e troianos. Extremamente simples e no velho esquema do “skill based” (baseado em perícias) o Unisystem permite a criação de personagens bem diferentes mesmo dentro do mesmo grupo de profissões, como em todos os sistema com base em perícias os atributos são somados a perícia escolhida e formam a base numérica para o teste que soma o resultado de 1D10 para definir chances de sucesso ou resultados aletórios.

Bem simples, a base do sistema é atributo+perícia+D10 o resultado de ser = ou > 9.
 
Vários elementos podem acrescentar ou diminuir essa dificuldade de 9, mas a verdade é que muito disso fica a cargo do narrador.
 
Na criação do personagem os jogadores tem mais controle usando grupos de pontos para distribuir entre suas características, ficando assim livre do efeito aleatório dos dados na criação de seu personagem. O narrador decide qual será o nível inicial dos personagens do jogadores que são divididos em: Pre-Heroic, Neo-Talented, Heroic e Talented, esses tipos definem os pontos disponíveis para serem usados na compra de atributos, perícias, vantagens, desvantagens além de outras características especiais.
 

Como a organização dos grupos de ação do jogo ou “Células da AEGIS” é definido pelos jogadores, existe um capitulo dedicado a formação das células (que é formada pelo próprio grupo de Jogadores), oferecendo uma lista completa e divertida para comprar que vai desde, tecnologia a equipe de apoio e a “cafeteira” da sala de reuniões.
 
Outro elemento fantástico do Unisystem é o “Diceless Game”, que é literalmente o “jogo sem dados”. Existem 2 tipos de sistemas sem uso de dados para o jogo a primeira opção é tão aleatória quanto os próprios  dados e usa um baralho comum. Cada jogador saca uma carta no inicio de suas ações, o resultado numérico da carta é somado aos atributos e perícias testados. A outra opção usando cartas já as utiliza de uma forma bem mais estratégica ( que vai agradar a muitos jogadores), cada jogador começa o jogo sacando 6 cartas de baralho e usa os  números das cartas como quiser durante os teste, optando assim por usar os melhor ou pior resultado quando lhe convier. Já no terceiro e último estilo de jogo os jogadores e o narrador ignoram completamente os efeitos aleatórios executando ações e solucionando problemas apenas com a narrativa, nesse modo do sistema até o dano das armas já é fornecido, permitindo ainda um certo nível de controle sobre a mortalidade no jogo, elemento esse que faz os jogadores tomarem cuidado com as ações de seus personagens e aumenta o nível de desafio.
 
Em resumo, o Conspiracy X é um excelente jogo de RPG, não só seu cenário é muito diferente do convencional oferecendo ótimas opções de narrativa e desafios como o Unisystem parece estar começando um ótimo caminho junto aos sistemas mais leves e divertidos, permitindo horas de entretenimento com boa qualidade.

Abraço a todos e fiquem com Deus!

Luciano Tolkien

8 comentários:

  1. Cara eu amo a saga de games UFO! Bom demasss.

    ResponderExcluir
  2. É, já tem uma nova versão 3D muito boa disponível na rede, acho que é um Fanmade com qualidade de estúdio.

    Abs

    Luciano

    ResponderExcluir
  3. É um fan made sim. + é muito bom e de graça! http://ufoai.ninex.info/wiki/index.php/News Inicialmente ele foi desenvolvido pra Linux.

    ResponderExcluir
  4. A lenda Atlante no Conspiracy X é a idéia mais 'viajada do universo' - literalmente. Infelizmente nunca pude jogá-lo. O único título da linha Unisystem com que tive contato foi WitchCraft. Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Luciano,
    Conforme a gente estava opapeando hoje,. cara, parece MUITO bom.
    Brega

    ResponderExcluir
  6. Faaaaaaaaala Mumu e e Brega!

    É, a história dos Atlantis é muito "alternativa", o Wichcraft é dos melhores RPGs de "urban occult" que eu já joguei, principalemnte por usar a idéia de jogadores interpretando personagens das ordens misticas e religiosas reais como os Rosa Cruzes os Wicanns e outras ordem herméticas e iniciáticas.

    É Brega vou mestrar o diceless game, deve ser bem divertido!

    Abs para todos,

    Luciano Tolkien

    ResponderExcluir
  7. Cara joguei ontem esse RPG particularmente gostei muito de como funciona. Principalmente o lance de não precisar de uma ficha! Supondo que todos do grupo que eram do F.B.I tinham o mesmo tipo de treinamento. E a troca dos dados pelas cartas achei bem bacana também (algo totalmente novo para mim). Fora isso só elogios a aventura do Luciano e de todo o preparo que ele teve para com ela.

    ResponderExcluir
  8. A supr-produção do Luciano para a mesa foi sensacional.

    Brega.

    ResponderExcluir