sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Benefícios dos jogos de RPG




Normalmente se ouve falar muito dos benefícios dos jogos de RPG. Natural que algumas pessoas fiquem mais curiosas e se aprofundem no assunto e outras, como acadêmicos e ou estudiosos do jogo, escrevam material específico para seus cursos e ou trabalhos acadêmicos. Formandos em literatura, história, pedagogia, matemática, letras, entre outros, escrevem seus trabalhos de conclusão de curso sobre o jogo, mas infelizmente a maioria fica nas prateleiras da biblioteca das universidades.
Sem querer usar o jargão acadêmico, vamos falar então de forma descontraída sobre os benefícios dos jogos de RPG?



Habito da leitura
Um sinônimo perfeito para o RPG pode se dizer “leitura”, para definir melhor basta saber, temos dois tipos específicos de jogadores em uma mesa de RPG, o mestre de jogo e o jogador, ambos são obrigados, pela própria estrutura do jogo, a ler bastante.
O mestre de jogo, como descrito no trabalho de Andréa Pavãol, (Aventura da Leitura e da Escrita Entre Mestres de RPG), tem de ser um ávido leitor. 
O menor livro de regras que eu conheço, o RPG Aventuras Fantásticas, tem mais de 100 páginas de pura diversão, e ele é só o primeiro, pois para que a história que se desenrola no jogo tenha sucesso é muito importante que o mestre conheça um pouco sobre mitos, religiões, formas de governo, tenha noções de moeda, comércio e tecnologia, tudo para situar corretamente seu cenário de jogo, por vezes o mestre é levado aos livros de história para poder narrar com fidelidade a aparência de homens e mulheres de uma determinada época, como eram suas armas, sua comida, suas cidades, qual o nível tecnológico daquela época, como era sua medicina e suas estruturas sociais, roupas, etc.
A leitura estimulada pelos jogos de RPG não para nos próprios livros de RPG, é levada através do romances de fantasia de ficção científica de horror de comédia, o hobby dos jogos de interpretação é uma semente que cresce e leva esse curioso iniciar á uma jornada pelo mundo da leitura, ela cresce e leva muitas vezes ao aprendizado de outras líguas como Inglês e ou francês, em resumo, sinônimo de PRG é leitura.



Matemática
Por mais simples e básico que seja um jogo de RPG, ele exige um mínimo de conhecimento em matemática, mas não só o básico do somar, dividir, multiplicar e subtrair, existem abstrações que são calculadas na hora, bônus e penalidades circunstanciais estabelecidas pelos próprios jogadores, sem o conhecimento de matemática o jogador fica para trás na hora de usar as regras, e como todos nós gostamos de um bom desafio, melhor ter habilidades e perícias muito bem calculadas para hora da ação.
Os conhecidos sistemas de RPG (ou conjuntos de regras matemáticas e discriminações de habilidades, perícias e combate) são matemáticos! O número de sistemas de RPG disponíveis no Brasil e no exterior passa da casa dos milhares, centenas de grupos de regras diferentes usando porcentagem, números inteiros, negativos e positivos para definir o resultado de ações. Quer atingir o monstro com sua espada? Role os dados, faça as contas e veja se você acertou. Quer lançar uma poderosa magia sobre seus inimigos? Lance os dados, some ou subtraia redutores e calcule o alcance para ver se você acertou, esse é o mundo do RPG, esse é o mundo da matemática!



Socialização e Inclusão
Hoje em dia é muito comum se ver nos meios acadêmicos o uso da palavra “inclusão”, jovens com as mais diferentes dificuldades de aprendizagem assistem aulas com colegas da mesma idade em escolas normais, isso é o resultado de anos de reeducação e mudança na percepção das dificuldades dessas crianças e nos nossos preconceitos. Nesse quesito o RPG sempre esteve á frente de seu tempo. Já em meados de 1980 Dave Arneson, co-criador do primeiro RPG do mundo, o Dungeons & Dragons, usava os RPG como atividade em salas de aula pelos Estados Unidos, ensinando professores e recreadores sobre como usar o jogo como ferramenta pedagógica e possibilitar a inclusão de alunos afastados pelo bullying e ou por suas dificuldades de aprendizagem. 
Em torno de uma mesa de RPG todos são iguais e o resultado positivo vem do trabalho em grupo, pois as habilidades de cada um dos personagens ajudará a levar o grupo ao sucesso.
Num jogo cooperativo, onde cada jogador deve dar voz a suas idéias e ajudar o grupo, as barreiras do cotidiano, do preconceito, da exclusão são banidas, meninos e meninas que durante um dia normal de aula mal se falam, passam a interagir e agir em conjunto pelo bem do grupo, ouvindo idéias, sugerindo novas e ajudando na resolução de charadas e mistérios. O papel do jogo de RPG como sociabilizador, como agregador é fundamental. Como em qualquer atividade de grupo visando um objetivo comum o RPG trata-se do famoso “trabalho de equipe” reino bem conhecido nos jogos de RPG.
Outra questão importantíssima do jogo é seu apelo global, não importa a classe social, onde você vive, se em seu país as pessoas tem acesso a internet e ou podem comprar livros em livrarias, ou consultar bibliotecas você vai encontrar um livro de RPG, existem centenas de projetos gratuito de RPG na internet e vários modelos baratos para públicos em todos os níveis de poder aquisitivos, o RPG é um jogo para qualquer pessoa.



Interpretação
Na infância passamos horas vestidos como nossos personagens preferidos, seja um lençol no pescoço que vira capa do Batman, ou uma cueca na cabeça para virar o homem aranha, o cabo de vassoura vira espada de luz e o travesseiro escudo, á medida que ficamos velhos tentamos arranjar desculpas para continuar nos fantasiando e interpretando nossos personagens preferidos, seja no carnaval, nos bailes á fantasia ou no halloween. Interpretar está na natureza humana, interpretamos quando queremos nos mostrar mais sérios e ou quando queremos comover alguém, interpretamos para ganhar a paquera na escola ou no círculo de amigos.
Os RPGs oferecem uma oportunidade saudável para interpretação, criar um personagem de RPG é muito mais que anotar números em sua planilha de personagem, muitas perguntas são frequentes: 

Como meu personagem fala? Ele tem alguma mania engraçada? Como meu personagem se comporta em uma situação de perigo? Ele sai correndo de medo ou grita um brado de guerra e vai para cima dos monstros? 

Essas características são decisões que o jogador tem de tomar sozinho, independente da idade eles criam e interpretam seus heróis. Crianças que jogam RPG esbanjam criatividade para tornar seus personagens únicos, seja um anão rabugento que vive reclamando a uma piloto de nave espacial muito confiante de suas habilidades, a interpretação não só afasta a inibição como permite ao jovem a criança ou até mesmo o adulto, a criar novas relações consigo mesmo e com os outros jogadores, percebendo em suas construções a variáveis personalidades e entendendo melhor os traços que as diferenciam das outras.



Criatividade
Como citado no texto acima, crianças que jogam RPG esbanjam criatividade, não poderia ser diferente uma vez que o jogo estimula várias esferas de conhecimento e perpassa até mesmo campos de conhecimentos específicos, aqueles aprendidos em sala de aula o famoso ensino formal.
A matemática, a leitura, a interpretação, tudo isso leva a criança a construir um universo que também vai para o papel, são desenhos, mapas, ilustrações de seus heróis, dos monstros que eles enfrentam, de efeitos mágicos, ou seja, a criança começa também a registrar suas aventuras ficcionais, ela cria um diário para seu herói ou registra seus feitos mais memoráveis. Nos videogames esses registros são automáticos, são digitais e só podem ser acessados através do computador, mas nas mesas de RPG, mestres e jogadores anotam seus resultados e registram suas aventuras a moda antiga estimulando a criatividade com cores, textos e papel. Na interpretação dos personagens, no estímulo a escrita, ao contar suas histórias a criança torna-se criativa e diversifica suas habilidades narrativas e interpretativas.



Estratégia
Em novembro de 1922 foi descoberto o túmulo de Tutancâmon, resultado dos esforços de Howard Carter e do seu mecenas, o aristocrata Lord Carnarvon, eles encontrava um dos maiores tesouros da humanidade, o túmulo do faraó Tutancâmon, e dentre os tesouros encontrados em seu túmulo com mais de 2.000 mil anos, vemos um jogo de tabuleiro, seu nome era Seneth. 
Em Castela e Leão (Espanha), um Rei do século XVI chamado Afonso X, escreve o seu "O Livro dos Jogos", um compendium de jogos de todo o mundo que apresenta as regras e os tipos de jogos daqueles período. 
Desde de antiga Ur, com mais de 4.000 anos de idade encontramos jogos, é o caso do "Jogo de Ur", uma relíquia reconstruída a pouco tempo por arqueólogos e historiadores e agora, nesse momento, cientistas, arqueólogos e historiadores tentam entender e recriar um jogo de tabuleiro Viking de mais de 1000 anos de idade chamado Scanian (Link http://www.medievalists.net/2014/02/22/quest-lost-gamers-investigation-board-gaming-scania-iron-middle-ages/).
A importância dos jogos como expressão das culturas que o produzem é reconhecido por reis, sábios e lideres por toda  história do homem, na Alemanha, Inglaterra, Japão e EUA os jogos de guerra são usados no treinamento de oficiais até os dias de hoje, a estratégia militar representada em tabuleiros e regras de jogos de guerra permitem a homens sérios e determinados traçarem os rumos de grandes batalhas. Esse modelo de aprendizagem usado de forma lúdica nos jogos de RPG é que permite aos jogadores determinas qual melhor estratégia para vencer desafios, enfrentar exércitos imaginários ou simplesmente salvar a donzela, os jogos de RPG são excelentes mecanismos de simulação estratégica e podem variar muito do tipo de situação apresentada, desde de como sair vivo de uma briga de taberna cheia de Orcs até liderar um exército com milhares de unidades militares em campo de batalha, a estratégia é parte importante da rotina do jogo e não se limita só ao apelo bélico, temos intrigas de corte, disputas políticas, todos esses eventos pedindo a criação de estratégias para que os jogadores possam ter sucesso em sua aventura.



Capacidade Cognitiva
Tentei falar na linguagem menos acadêmica ou cientifica possível, mas agora vamos falar de um tema bem explorado e prá lá de bacana quando se fala em atividades lúdicas e seus benefícios, o desenvolvimento ou das capacidades cognitivas.
Mas o que é Cognição? Vamos a uma definição simples e direta: “Cognição é o ato ou processo da aquisição do conhecimento que se dá através percepção, da atenção, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem.
É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento na classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
De uma maneira mais simples, podemos dizer que cognição é a forma como o cérebro percebe, aprende, recorda e pensa sobre toda informação captada através dos cinco sentidos.”
Em outras palavras, tudo que já explicamos a respeito das esferas de conhecimento e da socialização passam pela cognição, os jogos de RPG conseguem oferecer uma imersão no universo cognitivo e também permite o seu desenvolvimento.



Mas nem tudo que reluz é ouro!
Já levantamos aqui um altar aos benefícios dos jogos de RPG, mas esse não seria um post imparcial sem falarmos dos problemas entorno do jogo.
É importante entender que “tudo que é D+, faz mal” o RPG também pode se tornar um “vício ruim” se não dosado.
Viver algumas horas num mundo de fantasia contando uma história em grupo com amigos no fim de semana é uma coisa, todo dia enfiado em livros de RPG é preocupante.
O RPG não pode ser um substituto para vida real, e também não pode ser a única literatura que passa pelas mãos de jovens, adolescentes e adultos, o mundo possuem uma tradição literária muito rica para ficarmos enfiados em livros de RPG em todas as fases da vida.
Existem RPGs com temas muito variados, e muitos são para um público adulto, a maioria dos livros tem a indicação etária na capa e isso ajuda pais e professores a estudar qual a melhor opção para a fase do jovem jogador.
Recentemente um documentário chamado "Game Masters" mostrou a influência negativa do jogo sobre a vida de três mestres de RPG estadunidenses de diferentes estados americanos e de classes sociais diferentes, os três usaram o jogo como forma de “escapismo da realidade” e isso trouxe problemas para os três social, psicológica e financeiramente.
Com a orientação adequada e supervisão de pais e educadores o RPG acaba apresentando muito mais vantagens que desvantagens, o jogo estimula a criatividade, mobiliza as esferas de conhecimento de crianças, jovens e adultos, incentiva o hábito da leitura e aguça a inteligência e agilidade da mente. Como educador, jogador de RPG com mais de 20 anos de experiência e tio coruja, aconselho á todos conhecerem os jogos de RPG, o máximo que pode acontecer é você se apaixonar pelo jogo!

Espero que gostem e fiquem todos com Deus!


Abs, Luciano Mota Bastos

2 comentários:

  1. Se quiser se aprofundar, pesquisas científicas sobre o RPG
    http://www.pesquisarpg.ufpa.br/

    Gilson

    ResponderExcluir