sexta-feira, 25 de julho de 2014

Porra, Associação Brasileira de Jogos!

Alguns meses atrás tivemos um panfleto que, extremamente pouco reflexivo, relacionava a Associação a uma imagem religiosa "satânica".
Defendi a Associação e critiquei publicamente o ocorrido. Esse tipo de coisa não trazia benefício algum ao RPG.

Agora é hora de fazer o inverso, sobre outra imagem que, igualmente, não contribui para nada.

Antes de tudo, uma rápida explicação:
Apesar de meu lado cretino e RPGista, trabalho com sexualidade humana. Sou psicólogo, já ajudei a desenvolver materiais didáticos e terapêuticos dentro da área, e se estou batendo nessa tecla, de novo, sobre como a comunidade RPGística precisa rever conceitos é porque conheço um pouco o outro lado, o de profissional de saúde mental que tem de dar suporte a vitimas de preconceito.

Tem havido alguns comentários dentro da comunidade de jogadores, tanto contra a DEVIR (no que eu concordo), como a favor. As alegações a favor são de que é "exagero" e que as moças estão trabalhando. NADA contra as modelos. O problema é o comentário, que transforma, primeiro, as mulheres em objeto, e em segundo, que ao invés de falar do que a Devir faz (ou deveria fazer) fica soltando frases imbecis em um meio onde as mulheres já sofrem preconceito e descriminação o suficiente.

Quando me posiciono contra postagens homofóbicas, como abaixo, não é, portanto, somente "exagero".
é, isto sim, um apelo aos gamers em geral para que coloquem a mão na consciência e pensem um pouco antes de falar ou compartilhar  determinadas coisas.

Sobretudo quando em nome de uma associação que, de um modo ou de outro, representa RPGistas de qualquer gênero.

Vamos crescer um pouco, moçada. Tá na hora.
Segue:

É o Lobo, é o Lobo!

Por uma bizarra coincidência, se a postagem "demonizadora" citada no começo do texto usava a imagem de um lobo em pele de cordeiro, a de baixo fala sobre o Lobo, da DC, personagem que, como tantos outros, está sendo remodelado.

Se no caso anteriormente criticado, um dos problemas mais sérios era reforço de uma imagem errônea que religiosos tem do RPG, neste a coisa anda de forma muito similar, só que mais direta e explícita.

Uma associação que é criticada e toma porrada de tudo quanto é lado no meio RPGístico sabe o que é ser "avacalhada" sem direito a uma reflexão justa de seus pares deveria ser mais consciente e sensível ao tipo de coisa que escreve e posta.

Compartilhar uma postagem homofóbica é um tremendo retrocesso, em vários sentidos, portanto.

Uma coisa é não gostar do visual do Lobo e criticar. Isso faz parte de qualquer mudança em personagens, e pode ocorrer pelos mais diversos motivos. (Por mim,  Hulk seria ainda cinza, por exemplo).

Outra é cair no erro de, ao tentar fazer rir, reproduzir um tipo de mentalidade tacanha e ofensiva a grupos que, sinceramente, não tem nada a ver com isso.

Imagem do Autor Marcelo Cassaro que criou certo borburinho, meses atrás.
"Purpurina" e "Viado do Caralho" são o tipo de expressões preconceituosas que se espera de uma moçada menos esclarecida. 

Aliás, como contraponto: assim como "Nerd Virgem", "Coisa de  Punheteiro" e "RPG é coisa do demônio" quando falam de RPGistas. O tipo de coisa, aliás, que tampouco se pede para "compartilhar". Se não gostamos quando terceiros falam isso de nós, isso deveria nos dar um pouco de clareza sobre o que a nós não é muito bacana de dizer.

Quando você compartilha uma imagem preconceituosa qualquer em sua página pessoal, você faz isso na sua págna pessoal, é problema sexual seu. Mas se faz em nome de um grupo e associa o RPG a este tipo de pasmaceira, na boa, aí a coisa muda de figura.

Veja, você não PRECISA gostar dos gays. Não é, nem de longe, isso que eles pedem. Mas há uma diferença entre não gostar dos mesmos e o como e onde defende sua opinião. O ódio a quem tem esta ou aquela sexualidade, quando envolve pessoas maduras e de comum acordo, já muda de figura. Não é da nossa conta se fulano dorme com Beltrano ou Siclana, quantas vezes faz isso e que posição prefere. Do mesmo modo, se um personagem é bacana, ele é por uma série de copisas e ser ou não homossexual, na boa (e é incrivel termos de falar isso em 2014, ainda) é um detalhe.

Acho interessante ver um monte de jogadores dizerem "Porra, o Tyrion eh foda, e esse personagem nos ajuda a diminuir preconceito" w o cara ter xilique porque Wolverine beijou sei lá quem ou o Lobo mudou o visual. Menos, né?

Enfim: Não tenho nada contra  o Claudino ou a Associação. Já me ajudaram de diferentes formas em projetos, e fazem divulgação de outros eventos e materiais, de autores diversos, o que é sempre positivo. 

Porém queremos um hobby sadio e bacana, passou um bocado da hora de começarmos a prestarmos atenção neste tipo de coisa. É muito mais complicado pedir para  o resto da sociedade um pouco de respeito quando reproduzimos "piadas" assim.

A imagem da postagem abaixo reproduzida em imagem, até onde sei, foi deletada, depois de criticada. Ok, que bom.

O problema é ela TER é ter sido publicada, de saída. Basta ver o tipo de comentário tacanho que ela gerou. 

Se queremos ser tratados como adultos, é passada a hora de nos comportamos assim. Comentários toscos, como o machismo expresso pela Devir, dias atrás, e esse, do começo do mês, indicam que o meio ainda precisa amadurecer um bocado e ser mais responsável, sobretudo em um meio em que vários jogadores, mestres e mesmo autores SÃO homossexuais e trazem inúmeras boas contribuições ao RPG e Boardgame.


Sou heterossexual, pai  de dois filhos, faço oficina de RPG e jogos com crianças e adolescentes e digo, sem o menor medo de errar, que se tem uma coisa que os jogos são capazes de fazer é ensinar tolerância.
Se RPG é uma ferramenta pedagógica poderosa, essa é uma faca de dois gumes, pois não? Então, de novo, vamos ser um pouco mais responsáveis com aquilo que postamos em nome de outros RPGistas.


Ps: Se você acha que  o ódio não é problema seu, reveja seus conceitos.
Por exemplo:

Brega

2 comentários:

  1. Uma lástima... E outro blog postou sobre o sexismo da Devir:
    http://t.co/99FdlD0lyu

    Gilson

    ResponderExcluir