quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Livros da série Cyberpunk 2020 parte 6: Aventuras e Campanhas

O numero de livros com aventuras prontas para Cyberpunk 2020 é grande, pelo menos para um sistema que teve uma vida útil de fama e fortuna relativamente curta.
Muitas destas aventuras podem ser adaptadas de um modo ou de outro para cenários de espionagem, Gurps (sobretudo Cyberpunk) ou mesmo Shadowrun. Se forem escolher uma, escolham conhecer "Cabin Fever".
Vou tentar resumir os livros sem ser cansativo, aqui:

As aventuras de terror (sobretudo da Ianus) vou comentar em  outra postagem mais para a frente.

All Fall Down: Após um incidente na lua, uma substância capaz de dominar a mente das pessoas é descoberta. A droga é usada como testeentre membros de gangue, e cabe aos jogadores desvendar o mistério envolvido. Tem dois bons NPCs ao final da aventura. Sugiro que seja mesclada com "The Osiris Chip".

The Osiris Chip: Tem uma premissa básica similar a de "All Fall Down", envolvendo controle da mente (desta vez com implantes" e briga de gangues. Um pouco melhor trabalhada que "All Fall Down", e com potenciais para reviravoltas mais interessantes.

Chasing The Dragon: Os personagens tem de enfrentar uma série de lutas entre gangues enquanto procura desvendar o mistério envolvendo "The Dragon", uma figura enigmática nas ruas da cidade. Disputa por território de venda de drogas, corporações e luta territorial.

Greenwar: Uma minicampanha interessante: Permite que os jogadores se envolvam em uma verdadeira guerra corporativa dentro da Browning Group (uma empresa de investimentos) atacando rivais em operações secretas, chantagem, roubo e assassinato. É legal porque permite aos jogadores a experiência de estarem um pouco do lado "de quem manda".

Chrome Berets: Pode ser jogada como minicampanha ou como aventura solo. Pessoalmente acho interessante porque coloca os jogadores como verdadeiros mercenários envolvidos em uma guerra civil em uma ilhota perdida no meio do oceano. O suplemento apresenta regras para gerenciamento de pequenos exércitos, e pode ser uma forma diferente de se experimentar um RPG (se bem que Wargames existem para isso). Seja como for dá uma possibilidade extra, como a de dar maiores subsídios para adaptar clássicos como "Cães de Aluguel", ou mesmo a bomba despretenciosa "Mercenários". Vale como leitura, mas seu uso em mesa não é para muitos.

Cabin Fever: Um  de meus favoritos. Coloca os jogadores presos em um bar enquanto uma nuvem tóxica cobre o bairro. O jogo (one shot) favorece a tensão entre os jogadores e demais "reféns" dentro do local a espera de salvamento ou de uma chance de escaparem dali ao longo de uma magrugada.

Eurotour: Campanha para apresentar os jogadores a um cenário europeu, ao mesmo tempo que favorece o uso de personagens menos porradeiros no processo. Cada uma das aventuras são um ponto de chegada e os dias em torno do show naquele país. Máfias, fãs, terroristas e afins são o mote de cada sessão.

Firestorm I e II (Shockwave e Stormfront): São os dois suplementos mais importantes para o background oficial de Cyber 2020. Eles eram inicialmente três (o terceiro foi "absorvido pelo Cyberpunk V3, com resultados duvidosos). No primeiro volume os personagens agem defendendo uma companhia de pesquisa marítima contra tentativas de sabotagem e em uma guerra corporativa em pequena escala. O segundo volume torna a guerra uma briga de peixe grande: De um lado a malífica "Arasaka", do outro a só um pouco menos pior "Militech". O legal destes suplementos é fornecer, além de quilos de plots possíveis, uma renca de armas e veiculos extras, o que sempre é bom na hora de metralhar personagens, atropelá-los ou afogá-los. O terceiro volume trataria da vida pós guerra, mas acabou sendo um projeto meia boca, apedsar de algumas idéias decentes no meio disso tudo.

Night City Stories: um dos poucos que não li de verdade. Traz algumas aventuras e idéias, e sugiro se tudo o mais falhar.

Streetfighting: Traz sete historietas. Mesmo caso do suplemento acima, exceto que não li nem por cima este.

Arasaka Brainworm: Uma aventura longa, que pode ser jogada em duas sessões sem problemas. A aventura envolve espionagem industrial.; O problema: O alvo é uma base da Arasaka, a pior das corporações de Cyber 2020. Alguns talvez conheçam a Arasaka por caus ado joguinho "The Arasaka´s Plot" (vide imagem animada abaixo):


The Northwest Passage: O legal aqui é que esta aventura dá base para aventuras na neve ou em locais muito frios. Além de ser uma campanha difícil, dá algumas regras para sobrevivencia em condições extremas, e um mapa muito utilizável de cidades no Alaska (mas que podem ser utilizadas até em aventuras na antartica sem grandes dificuldades).

Tales from the Forlorn Hope: trata-se de mais um suplemento com idpeias para aventuras, desta vez localizando os personagens em um (o tal  Forlon Hope). O legal aqui são temáticas esquisitas, envolvendo até lobisomens (ou pessoas com implantes peludos), um pouco de exagero e alguma diversão. O jogo ainda traz alguns mapas em hexagonos que podem ser utilizados por amantes de Gurps e afins.

The Bonin Horse: Ao lado da aventura de terror "Sub-Atica" e dos livros da série "Firestorm", fornece bom material para aventuras passadas em oceanos. Aqui um submarino com uma carga sigilosa afunda e a aventura (bastante mortal) gira em torno do jopgo de gato e rato entre corporações para alcançar a carga, ou pelo menos sair dali com vida.

When The Chips Are Down: Aventura especialmente difícil de se conseguir, pois vinha dentro do Kit do escudo do mestre. Uma boa aventura para introduzir novos jogadores ao sistema, coloca os personagens na pele de um grupo pé-de-chinelo que topa com uma gigantesca oportunidade, ao envolvê-los em uma disputa por um projeto de nave espacial entre grandes corporações. Parcialmente passado na Austrália (e com um desenrolar que pode levar os personagens em órbita), traz alguns dos meus personagens iniciais preferidos.

Land of The Free: É a contraparte do livro-cenário "Home Of The Brave" (que descreve os EUA em 2020). É uma campanha de algumas aventuras que traz elementos interessantes como dirigíveis, biotecnologia, quadrilhas aéreas, corridas contra o tempo, uma igreja de Elvis (sim, tem até isso) e caçadores de recompensa impiedosos. Outra coisa legal é que a capa deste livro se "encaixa" na capa de "Home of the Brave (vide abaixo as duas juntas). "Home of the Brave, Land of The Free" é uma expressão comum para citar os EUA entre os americanos.

Um comentário:

  1. Olá! Adorei o Blog, quero comprar o livro cyberpunk 2020 em português onde encontro?

    ResponderExcluir